Canção de ninar - Bella Swan

sábado, 20 de outubro de 2012

Mundo Virtual

Para dizer a verdade, eu já estou de saco cheio do facebook. Já sei quem são os corinthianos e os palmeirenses, já sei quem gosta de gatos ou cachorros, já sei também que está namorando, casado, solteiro ou disponível. Já sei até o que algumas pessoa comem, o que elas vestem, onde vão, com quem vão, qual sua música ou cantor preferido. Eu só não sei o que isso vai acrescentar na minha vida, o que muda na minha vida saber o que acontece nas outras vidas. No começo parecia interessante, fazer novas amizades, reencontrar antigas amizades... mas agora, percebo que só acesso por vício mesmo. Acho que a maioria de nós cria um hábito e faz isso apenas para passar o tempo, mas isso não tem graça, não faz diferença... Então porque ficamos tão ansiosos quando ficamos muito tempo sem acessar o face??? Não encontro uma só vantagem nisso. Não há nada lá que todo mundo já não saiba. Por essa razão eu decidi que vou cair na "REAL" e mudar meus "HÁBITOS". Alguns amigos tem meu celular, outros meu e-mail e msn ... então, quando alguém quiser conversar comigo, vai saber como me encontrar. É isso, estou voltando para a vida... bjs para quem fica. Até mais.

terça-feira, 9 de outubro de 2012

Juventude de Hoje

As vezes fico pensando... o que foi que aconteceu com a FAMÍLIA. Vejo pais abusando dos filhos, pais desprezando os filhos, filhos agredindo os pais, matando-os. Vejo a juventude caindo nas drogas, se entregando aos crimes, ao suicídio. Vejo mães valorizando mais uma tarde no salão e roupas novas o tempo todo e deixando de qualquer jeito seus filhos, deixando de prover desde o básico, até dando mais valor à uma reunião de "amigos" do que simplesmente alguns minutos de conversa e orientação com seus filhos. Vejo pais equipando seus carros e negando aos filhos uma tarde de domingo com os filhos na pracinha. Não sou feminista e nem qualquer nada do gênero, mas confesso que, em minha opinião, muito se deve ao fato de que a mulher precisou sair de casa para trabalhar, e deixou seus filhos nas mãos de terceiros, e ainda por conta do cansaço da jornada tripla, abandonou a educação deles nas mãos desses terceiros, como se pagar fosse se livrar dessa "obrigação", que na verdade deveria ser o maior ato de amor. Cuidar dos próprios filhos. É notável a diferença das mães que ficam em casa cuidando de sua família e das que "precisam" sair para trabalhar. O resultado se nota nos próprios filhos, valorizados pelos pais, bem cuidados, educados, respeitosos com o próximo. Ainda temos que notar o item religião, seja ela qual for. Mãe que leva o filho na igreja não busca na cadeia. Ainda que hajam as exceções, essa ainda é a melhor maneira de formar um adulto feliz, consciente, educado. A intenção deste post ão é confrontar idéias com ninguém e nem atingir ninguém. É apenas um desabafo de uma mãe, que se deu conta que, estar próxima a minha filha, vale mais do qualquer salário, que qualquer posição social. Há 18 anos dedico minha vida à minha filha e posso afirmar, VALE A PENA CADA MINUTO.

quinta-feira, 5 de maio de 2011

Mãe Chata

Enquanto outras crianças comiam doces no café da manhã, eu tinha que "engolir" copo de leite. Enquanto os outros bebiam refrigerantes o dia todo, minha mãe dizia: "Água ou limonada são muito mais saudáveis".

Ela insistia em saber onde eu estava o tempo todo. Dá até pra pensar que eu era o seu pequeno escravo. Ela fazia questão de ficar a par de tudo o que eu fazia e de quem eram os meus amigos. Confesso envergonhado de que às vezes, até levava uma pequena surra dela. Imaginem só, bater numa criança só porque ela respondeu mal ou desobedeceu.

Minha mãe ousou quebrar a Lei de Proteção ao Menor. Verdade. Ela me fazia trabalhar. Eu era obrigado a lavar louça, arrumar minha cama e guardar minhas roupas, enfim..,todas essas coisas horríveis que fazem parte do "trabalho doméstico".

Ela insistia em que eu devia falar sempre a verdade e nada mais do que a verdade. E dizia:
- Uma mentira leva a outra e cada vez fica mais difícil voltar a verdade.

Ela sempre me obrigava a fazer a lição de casa antes de brincar e eu só tinha a permissão para assistir a determinados programas de televisão que ela mesma escolhia. E tudo isso sem mencionar que eu tinha que dormir cedo.

Sempre eu tinha aquela sensaçãode que minha mãe era a mãe mais chata do mundo. Podia eu fingir que estava doente e ficar na cama num dia de chuva e faltar à aula? Jamais. E ainda mais, exigia de mim boas notas na escola. Inadmissível um vermelho no boletim.

As sextas-feiras à noite, tínhamos reunião de família (que chatice), enquanto meus amigos iam ao cinema e organizavam festinhas.

Quando adolescente poucas coisas mudaram. Enquanto meus amigos ganhavam seus próprios carros, eu tinha que trabalhar para poder comprar o meu. Eles ganhavam mesadas dos pais, mas eu era obrigado a prestar contas de todos os meus gastos.

E sempre com minha mãe atrás, consegui completar (e com que esforço) o colegial. E em seguida, a faculdade. Mamãe jamais me perdia de vista, vigiando-me para que eu sempre, enfrentasse a realidade, sem jamais poder me esquivar de alguma situação mais difícil; e, é claro, sempre, exigindo que eu falasse unicamente a verdade.

Mamãe obrigou-me a crescer como adulto honesto e educado, temente a Deus e com um amor que só hoje posso compreender. A mãe mais chata do mundo é a pessoa que me tornou o homem que sou hoje.

E agora, quando vejo muitos dos meus amigos que obtinham tudo sem qualquer esforço, com uma mãe bacana "demais" - então eu entendo e dou ainda mais valor a minha mãe.

Ela me ensinou a dar o verdadeiro valor às coisas, com ela aprendi a pensar não somente em mim, mas também na família e nos amigos, a lutar com empenho pelos meus ideais e a dizer sempre somente a verdade.

Agora quando meus filhos chamam a mim e minha esposa de chatos, pelas mesmas razões, fico tranqüilo e tenho a certeza de que algum dia, eles compreenderão, porque são o que há de melhor em nossas vidas...


(mensagem do site Minuto Poetico)

quarta-feira, 24 de novembro de 2010

10 conselhos para namorar minha filha:




Um dos maiores pesadelos de uma mãe é quando a filha completa 14 ou 15 anos (as vezes antes) e os gaviões começam a rondar sua menina...

Este pesadelo se agrava quando ela resolve (apesar de meus inúteis protestos) namorar um desses gaviões...

Bom… para quem quiser “tentar” namorar com a minha filha algum dia, seguem-se algumas regras básicas:

1 - Se você parar em frente a minha casa e buzinar, é melhor você estar entregando uma pizza ou outra encomenda qualquer. Do contrário, levante essa bunda do seu carro e venha buscar minha menina na porta.
2 - Sei que você vai tentar ser meu amigo, e que vai conversar sobre clima, política e outros assuntos do dia. Por favor, não faça isso. A única informação que eu preciso de você é quando minha filha vai estar de volta em casa, intacta e em segurança. E a única resposta que eu preciso ouvir sobre este assunto é: "Antes das 21 horas, senhora...".
3 -Estou ciente de que é considerado moderno para os meninos da sua idade vestir as calças largas, que ficam caindo e mostrando a cueca. Você pode vir até a minha porta mostrando sua cueca, não vou falar nada. No entanto, se quiser entrar, ou sair com minha princesa, vou ajeitar suas calças... Na marra. Com pregos e martelo!!!
4 - Quando você estiver comigo na sala, esperando a minha filha aparecer, a mais de uma hora, não suspire e não fique inquieto. Se você quiser chegar a tempo para o filme, você não deveria estar namorando. Minha filha está colocando a sua maquiagem, um processo que pode demorar mais do que pintar a Monalisa. Em vez de apenas ficar esperando, feito um idiota, porque você não vai fazer algo útil, como lavar o meu carro?
5 - Você não pode tocar a minha filha na minha frente. Você pode olhar para ela, contanto que você não olhe qualquer coisa abaixo de seu pescoço. Se você não pode manter seus olhos ou mãos fora do corpo da minha filha, vou removê-los!!!
6 - Após sair com minha garota pela primeira vez, você assumirá um compromisso eterno com ela. Você não sairá com mais ninguém, não terá mais amigas, e jamais terminará com ela. Somente ela pode fazer todas as outras coisas. Se você a fizer chorar, eu vou te fazer chorar. Muito!!!
7 - Os seguintes lugares não são adequados para um encontro com a minha filha: lugares onde há camas, sofás, ou qualquer coisa mais macia do que um banquinho de madeira. Locais onde não há pais, policiais ou freiras dentro do campo de visão. Locais escuros. Locais onde há dança, de mãos dadas, ou a alegria está no ar. Lugares onde a temperatura ambiente é quente o suficiente para induzir a minha filha a usar shorts, tops, regatinhas, ou qualquer outra coisa que não seja macacões, um sobre-tudo por cima e um cachecol - tampando totalmente seu pescoço. Filmes com um tema forte, românticas ou sexuais devem ser evitados; filmes com motosserras estão liberados. Jogos de futebol também. Ver dvd ou jogar banco-imobiliário aqui em casa está permitido.
8 - Estamos no século 21, eu sei. Mas na minha casa valem as regras do século 16. Vou levar minha princesa ao altar da Santa Madre Igreja com todos seus orifícios intactos. Se eu ao menos pensar que você fez sexo com a minha filha, eu te mato. Lenta e dolorosamente.
9 - Não minta para mim. Eu posso apenas parecer estúpida, mas em questões relacionadas com a minha filha, eu sei de tudo. Se eu lhe perguntar onde você está indo e o que vai fazer, você tem uma única chance de me dizer a verdade, toda a verdade e somente a verdade. Eu tenho um 38 carregado, uma pá, e um enorme quintal atrás da casa. Não brinque comigo.
10 - Tenha medo. Tenha muito medo. É preciso muito pouco para que eu te convide para um passeio...Sei que você não vai gostar dele!!!

segunda-feira, 22 de novembro de 2010

ANTES DE SER MÃE





Antes de ser mãe, eu fazia e comia
os alimentos ainda quentes.
Eu não tinha roupas manchadas,
tinha calmas conversas ao telefone.
Antes de ser mãe, eu dormia o quanto eu queria,
Nunca me preocupava com a hora de ir para a cama.
Eu não me esquecia de escovar os cabelos e os dentes


Antes de ser mãe,
eu limpava minha casa todo dia.
Eu não tropeçava em brinquedos e
nem pensava em canções de ninar.
Antes de ser mãe, eu não me preocupava:
Se minhas plantas eram venenosas ou não.
Imunizações e vacinas então,
eram coisas em que eu não pensava.


Antes de ser mãe,
ninguém vomitou e nem fez xixi em mim,
Nem me beliscou sem nenhum cuidado,
com dedinhos de unhas finas.
Antes de ser mãe,
eu tinha controle sobre a minha mente,
Meus pensamentos, meu corpo e meus sentimentos,
e dormia a noite toda.


Antes de ser mãe,eu nunca tive que
segurar uma criança chorando,
para que médicos pudessem fazer testes
ou aplicar injeções.
Eu nunca chorei olhando pequeninos
olhos que choravam.
Nunca fiquei gloriosamente feliz
com uma simples risadinha.
Nem fiquei sentada horas e horas
olhando um bebê dormindo.


Antes de ser mãe, eu nunca segurei uma criança,
só por não querer afastar meu corpo do dela.
Eu nunca senti meu coração se despedaçar,
quando não pude estancar uma dor.
Nunca imaginei que uma coisinha tão pequenina,
pudesse mudar tanto a minha vida e
que pudesse amar alguém tanto assim.
E não sabia que eu adoraria ser mãe.


Antes de ser mãe, eu não conhecia a sensação,
de ter meu coração fora do meu próprio corpo.
Não conhecia a felicidade de
alimentar um bebê faminto.
Não conhecia esse laço que existe
entre a mãe e a sua criança.
E não imaginava que algo tão pequenino,
pudesse fazer-me sentir tão importante.


Antes de ser mãe, eu nunca me levantei
à noite toda , cada 10 minutos, para me
certificar de que tudo estava bem.
Nunca pude imaginar o calor, a alegria, o amor,
a dor e a satisfação de ser uma mãe.
Eu não sabia que era capaz de ter
sentimentos tão fortes.
Por tudo e, apesar de tudo, obrigada Deus,
Por eu ser agora um alguém tão frágil
e tão forte ao mesmo tempo.
Obrigada meu Deus, por permitir-me ser Mãe!!!

Eu cresci...


Em que momento será que eu cresci?
Quando foi que eu saí do banco de trás e passei a dirigir minha própria vida?
Quando foi que eu deixei de usar maria chiquinha?
Crescer me faz perceber que sou uma eterna aprendiz da vida, que a cada dia descubro um sentimento novo, desvendo meus próprios mistérios, questiono meu eterno antagonismo.
Eu cresci! Aprendi que um longo abraço resolve qualquer mal entendido, que o silêncio é a melhor reflexão, que um sorriso é o melhor alimento da alma, que o cheirinho da minha filha é o maior tesouro que eu devo preservar. Aprendi que amigos sinceros, apesar de raros, ainda existem. Que o tempo dos nossos pais ao nosso lado é menor do que necessitamos para aprender sobre a vida, que beijo sincero tem valor intangível, que olhar nos olhos e conseguir enxergar o que outro está sentindo é uma experiência inexplicável. Que fazer o que se gosta é libertador.
Eu cresci e aprendi a não viver mais no singular. Aprendi que almoço no plural é mais saboroso. Assistir filme no plural é mais divertido. Conquistas no plural tem muito mais gostinho de vitória.
Aprendi que sucesso depende de fé, dedicação, amor e carinho e não somente da nossa experiência.
E que o meu sucesso pode não ter a menor graça pra você, e pode não fazer o menor sentido pra quem vê de fora.
É eu cresci, mas ainda quero a vida cheia de algodão doce, brigadeiro e cartinhas enfeitadas com corações e estrelinhas.
Eu cresci sim, mas hoje me deu uma vontade imensa de usar maria chiquinha...(S.V.)